Falaaaa galera!! Trouxemos esse tema em pauta, pois recentemente saíram os resultados de algumas pesquisas que envolvem essa galera chamada de geração Z. Z de zebra, Z de zuados ou Z daZamiga? Não! É essa nova geração que não trabalha mais por empresas, mas por produtos, não encontra na grana a sua motivação, mas sim no propósito de transformar ou mudar a vida das pessoas. É uma geração nova e que vem com tudo para o mercado de trabalho!

A crise dos 30, as novas formas de interação entre as gerações, a defesa da igualdade e diversidade cultural… essas mudanças e comportamentos deixarão na mão das pessoas a escolha de onde trabalhar, como e quando. E não mais nas empresas! Isso mesmo, como diria Aristóteles, o poder estará com o povão! As empresas que estiverem com os valores, missão e visão associados com as pessoas e a essa nova adaptação geracional, serão as empresas de sucesso.

O desafio central na próxima década para as empresas será atrair, engajar e reter a mão-de-obra qualificada à medida que o mercado continua a se apertar, a tecnologia continua a evoluir e os padrões continuam a mudar. Hoje temos incríveis 5 (CINCO) gerações interagindo no mercado de trabalho: Silents (Nascidos entre 1925 e 1955), Baby Boomers (Nascidos entre 1946 e 1964), Geração X (Nascidos entre 1965 e 1982), Geração Y ou Millennials (nascidos entre 1980 e 1995) e Geração Z (Nascidos depois de 1990). Cada grupo tem suas próprias características distintas, valores e atitudes em relação ao trabalho, com base nas experiências de vida de sua geração. Para integrar com sucesso essas diversas gerações no local de trabalho, as empresas terão de adotar mudanças radicais no recrutamento, benefícios e criação de uma cultura corporativa que demonstre respeito e inclusão pela força de trabalho multigeracional.

Vamos dar uma olhada em cada geração individualmente:

Silents

Os silenciosos são considerados entre os trabalhadores mais leais. Eles são altamente dedicados e mais avessos ao risco. Seus valores foram moldados pela Grande Depressão, Segunda Guerra Mundial e os anos de crescimento do pós-guerra. Silents tem um forte compromisso com o trabalho em equipe e colaboração e tem grande respeito pelo desenvolvimento de habilidades de comunicação interpessoal.

Baby Boomers

Os boomers são a primeira geração a declarar ativamente uma maior prioridade para o trabalho sobre a vida pessoal. Eles geralmente desconfiam da autoridade e dos grandes sistemas. Seus valores foram moldados principalmente por ativismo de direitos civis, guerra fria e variação da inflação. Eles são mais otimistas e abertos à mudança do que a geração anterior, mas também são responsáveis ​​pela “individualidade”, com a busca da gratificação pessoal, que muitas vezes aparece como um senso de meritocracia na força de trabalho de hoje.

Geração X

Geração X são muitas vezes considerados a geração que questiona as figuras da autoridade e são responsáveis ​​por criar o conceito de equilíbrio entre vida e trabalho. Nascidos em um momento de declínio do crescimento populacional, esta geração de trabalhadores possui fortes habilidades técnicas e é mais independente do que as gerações anteriores.

Milênios ou Geração Y

Este grupo é a primeira geração global centrada, tendo começado a agir durante o rápido crescimento da Internet e com as diferentes formas de interação social. Eles estão entre os mais resilientes na navegação de mudanças ao aprofundar sua apreciação pela diversidade e inclusão. Além disso, eles representam a geração mais centrada em equipe desde os Silents, como cresceram em um momento em que os pais programaram a maior parte de suas vidas com atividades esportivas, musicais e recreativas para mantê-los ocupados, enquanto seus pais Boomer se concentraram no trabalho.

Centenials ou Geração Z

“A Galera do Facebook”. Influenciados por um mundo saturado de mídia. São tecnologicamente dependentes, intimamente ligados aos pais, tolerantes a estilos de vida alternativos, envolvidos em causas verdes e ativismo social. Com ganhos significativos em tecnologia e um aumento na programação educacional durante a década de 1990, os Centenials também são a geração mais educada de trabalhadores hoje, são multitarefas, falam mais de uma língua com fluência e conhecem o mundo com a palma de seu tablet (e muitos de suas mãos).

 Normalmente, as gerações mais velhas preferem falar cara a cara ou no telefone, e as gerações mais jovens são muito mais usadas para mensagens baseadas em texto, como e-mail e mensagem instantânea. Quando você tem que trabalhar com alguém de uma geração diferente, entenda sua preferência, pois assim é mais provável que obtenha cooperação quando usa um método de comunicação com o qual eles preferem e se sentem à vontade.

Todos veem o mundo através do nosso próprio filtro geracional. As experiências da nossa juventude moldam nossos pontos de vista. Os Baby Boomers valorizam o crescimento pessoal e o envolvimento da equipe. Eles são rotulados como “egoístas”, pois se concentram em si mesmos e se identificam com realizações obtidas no trabalho. Eles são ambiciosos, altamente educados e com vontade de trabalhar longas horas. Esta geração cresceu em organizações com grandes hierarquias corporativas, em vez de estruturas de gerenciamento plano e funções de trabalho em equipe.

Por outro lado, a Geração X aprendeu a ser cética sobre quase tudo. Então, quando você tiver que trabalhar ao lado desta geração seja direto com eles – não tente dar a voltinha para qualquer coisa. Não espere que eles “deem a vida ao trabalho”.

Os Ypslons estão interessados em comentários sobre seus desempenhos, o famoso feedback. Mais do que qualquer outra geração, esses indivíduos gostam de entender se eles estão fazendo seu trabalho bem e trabalharão muito melhor ao seu lado se eles estiverem sendo treinados e não gerenciados.

A próxima geração, os Zs são responsáveis pela próxima grande mudança corporativa. É uma geração que vêm veloz como as mudanças tecnológicas anuais do Iphone, que acompanha tudo o que acontece no mundo, que é engajada pela igualdade, diversidade e inclusão no mercado de trabalho. Essa geração não trabalha por dinheiro, mas sim por propósito. Não dê a eles dinheiro como motivação, de espaço, de parabéns e não dê o peixe, os ensine a pescar.

A chave para o trabalho em equipe com colegas de diferentes faixas etárias é sempre tentar encontrar o comum. Se muita ênfase é colocada sobre as diferenças, existe o risco de não superar o hiato geracional devido à falta de alavancagem de pontos comuns que reúnem funcionários.

Toda a geração sente que a confiança é importante e que ela deve ser conquistada. As pessoas precisam mostrar que sabem do que estão falando (credibilidade), fazem o que dizem que farão (confiabilidade) e manterão os interesses da outra pessoa no coração (sinceridade).

Empregados de todas as gerações desejam muitas das mesmas coisas no local de trabalho, incluindo respeito, flexibilidade, justiça e a oportunidade de fazer um trabalho interessante e gratificante.

Reconhecer e compreender as diferenças geracionais pode ajudar todos a aprender a trabalhar de forma mais eficaz e a transformar o seu local de trabalho de uma zona de guerra de geração para uma equipe produtiva.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here